Clevane de Asas

29 maio 2006

Tancredo Não Morreu

A banda belorizontina "Tancredo Não Morreu",nome obviamente em homenagem ao velho político mineiro,apresenta-se dia Primeiro de Junho no "Pau e Pedra",agradável casa de shows,no bairro Funcionários(Av.Getúlio Vargas,489,Funcionários).
No repertório,clássicos do Rock brasileiro dos Anos 80.
Os componentes são músicos experientes:
Nando Araújo(voz e guitarra)
Daniel Mariano(voz e guitarra)
Fernando Kim(bateria)
Alessandro(Allez Pessoa):contrabaixo.
Imperdível.

28 maio 2006

Trovas sobre Aleitamento e IX ENAM

Trovas sobre Aleitamento
Carmen:Sempre gostei muito da trova do José carlos de lery Guimarães,advogado,radialista e professor da faculdade de jornalismoda UFJF,já falecido:

Leite em pó para o bebê,
contém tudo em forma pura:
vitaminas A e D,
mas falta o melhor:ternura...

(José Carlos de Lery Guimarães,Juiz de Fora,Minas Gerais,Br)

E essa ,das minhas:

No aleitamento materno,
a ligação da mãe ao filho,
produz um amor bem terno
com o qual me maravilho!

Clevane Pessoa Lopes(BH,MG)

Bjs.
Clevane

N:Adorei essa idéia,do trovador estar presente emevento de tal importãncia(já participei de vários,até comopalestrista,pois trabalhei em hospital e comprojetos preventivos.
Tenho muitas outras...


carmen pio escreveu:
"Queridos Irmãos Trovadores

Estamos aqui para convidá-los a participar com suas trovas no IX ENAN –
Encontro Nacional de Aleitamento Materno. O encontro ocorrerá aqui em Porto
Alegre, entre 03 e 06de setembro, para o qual fomos convidados a fazer um
Recital de Trovas, o que nos agradou muito e nos deixou muito felizes, tanto
pelo tema, como pela oportunidade de divulgarmos nossa Trova em meio a um
assunto tão belo e tão especial, que contará com muitos profissionais de
diversas áreas e de diversos países. Contamos com a contribuição dos
Trovadores, tanto do Brasil como daqueles do exterior que têm mantido troca
e contato conosco.
Aguardamos as colaborações, agradecendo a todos por suas constantes e
generosas participações.
Um grande e carinhoso beijo.
Boa semana!

Carmen Pio
UBT – Porto Alegre


------------------------------------------------

Porto Alegre sedia
Encontro Nacional de Aleitamento Materno

Foi lançado em maio, durante o 18º Encontro da Municipalização da Saúde, o
IX ENAM – Encontro Nacional de Aleitamento Materno, que acontecerá em Porto
Alegre de 03 a 06 de setembro deste ano. O Encontro tem por objetivo
consolidar o direito humano à amamentação em benefício não apenas das
crianças, mas também da mulher, das famílias e da sociedade como um todo. O
ENAM acontece a cada dois anos e é promovido pela IBFAN – Rede Internacional
em Defesa do Direito de Amamentar, associada a grupos de apoio à
amamentação. O evento abre um espaço para troca de experiências,
atualização, reflexão e debate sobre o aleitamento materno, sua importância
para a humanidade e a responsabilidade dos diversos atores sociais no seu
sucesso.

O evento contará com a presença de mais de 100 palestrantes nacionais e
internacionais, sendo esperados 1.200 participantes entre: órgãos
governamentais, políticos, Organizações Não Governamentais (ONGs),
universidades, movimentos sociais, pesquisadores, acadêmicos, profissionais
de diversos segmentos (saúde, educação, assistência social, entre outros) e
artistas nacionais e internacionais. As atividades previstas para o ENAM são
cursos à distância (EAD) e presenciais, conferências, mesas redondas,
oficinas, apresentação de trabalhos, exposição de pôsteres, relatos de
experiências e atividades culturais, sociais e políticas.

IX ENAM – Encontro Nacional de Aleitamento Materno

TEMA: “Aleitamento Materno: Conquistando Saúde, Protegendo a Vida”
DATA: 03 a 6 de setembro de 2006
LOCAL: Salão de Atos – Reitoria da UFRGS - Porto Alegre – RS
PROMOÇÃO: IBFAN BRASIL – Rede Internacional em Defesa do Direito de
Amamentar
ORGANIZAÇÃO: Rede IBFAN Porto Alegre"
Publicado por clevane pessoa de araújo em 28/05/2006 às 23h32
Seja o primeiro a comentar este texto
Indique esta leitura para amigos

Copyright© 2005 by ClevanePessoa. Todos os direitos reservados.Criado e hospedado por Recanto das LetrasPágina atualizada em 28.05.06 23

27 maio 2006

Poesia Erótica

27/05/2006 11h30
Erotismo de poeta portoriquenho(Vicente Rodrigues Nietzche




Poeta Vicente R.Nietsche pertence ao grupo "La Poesia",onde sou inscrita.
Seus versos revelam a efervência poética da sensualidade necessária .O erotismo é leve,lúdico,povoado de imagens poéticas do cotidiano simples e esplendoroso a um só tempo,como deve ser- em dias e noites de paixão absoluta,na busca de prazer e entendimento.
Clevane

Há algum tempo,recebemos essas poesias:

Poesia 15


"Cuando te viene un orgasmo

las puntas de los senos

se te vuelven cristales...

Tiene tu vulva fuerza
de cuarenta huracanes.



Cuando toca el momento

que baja su corriente,

cierras los muslos

y los ojos abres;

dices poemas

y cantas como un ángel!"





16

"Removida la saya,

el zapato quitado

me asombré con tu cuerpo;

capá prieto moldeado...



Con esa curva grácil

de tu cadera negra

y los glúteos galanes,

me sorprendió tu forma,

su color, su entre juego.

Me aspiré tus olores
de tulipán prendido..."





17

"Con mi corazón te amo,

con mis pulmones soplo

hacia donde estés,

con mis uñas monto el aire

para buscar tus labios.

Ciego y peregrino

persigo tu voz.

Escucho las crecientes

olorosas de tus nardos..."





18

"Canela con miel

son tus palabras...

Sola en el mar

de espuma embarazada...



No te alcanzan mis ojos,

te afirmo en mis cantatas...

Tu linaje es risueño

como tus cañas.

Los timbres de tus versos

cuelgan como guirnaldas...



Te brindo caramelos

rojos, azules y blancos

desde mi patria."







19

"Alcanzo

el borde de tu labio,

tus caderas y senos.

Logro tu amor

pedacito de brizna

que palpa el aire

y lo hace sonar.



Tan a distancia,

tiento tu corazón

alzado,

como hoja que acaricia la fruta

en los redondos árboles..."





20

"Te debes de llamar
como una flor se llama.

Ondeadora de tul por las caderas.



Giradora en la crema de tu cuerpo.

Música pesada en el baile de tu pie.



La firma de Gardel sube a la escena..."





21

"Reconóceme en tu olfato de ciruela,

pálpame con tu gracia de gitana...

Por la harina balanceada de tu espalda

carga mi soledad.



Escóndeme debajo de tu falda..."





Vicente Rodríguez Nietzsche

PUERTORRIQUEÑO
Publicado por clevane pessoa de araújo em 27/05/2006 às 11h30

Policromia


Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Março / 2000 a Fevereiro / 2001



Policromia



Minha alma translúcida
tinge-se de poente

— e o poente, de cores

como flores / num jardim.





Embriago-me de LUZ :



o branco em mim

se descontrai





nessa alma de prisma...





Saio, pela vida,

de expressão colorida,

espírito renovado

— ah, essa minha alma

cheia de im/perfeições

que, à semelhança dos vitrais,

quanto mais impura,

encantadora faz-se mais...



Em mim, refletem-se os tons

das escamas nas asas

das borboletas,

os tons/sons

das águas fulvas

das águas verdes

das águas brancas

das águas negras

das águas azuladas

das águas barrentas

prateadas,

douradas

pelo reflexo, em sua massa

misteriosa,

das areias, do lado, das pedras,

das algas, do céu, do barro,

do sol

e

da lua...

e

do sal



Coleciono verdes

tenros e antigos

— tantos matizes!

amarelecidos

enriquecidos...



As penas das aves, os sonhos,

os olhos das crianças, os cristais,

a Terra, a graxa, o petróleo,

os frutos, os minerais,

ah, as cores todas do mundo

eu carrego nesse meu espírito

profundo,



atravessador

de lugares

seculares,



nessa minha alma

sedenta de cor

e amor,

rimas banais

para belezas fractais

e possibilidades

infinitesimais...

clevane

Eu Que Amo o Amor





27/05/2006 12h32
Eu que amo o amor




Eu que amo o amor...


Clevane Pessoa de Araújo Lopes

Pelo Dia dos Namorados(12/06)

Eu que amo o amor,conheci-o antes
de que me oferecesses o teu,modelo
de paixão buliçosa e possessiva...
Eu que amo o amor,sabia
que não se ama apenas com palavras galantes,
-às vezes,sou até esquiva
quando me entregam de presente
tantas jóias caras num pequeno escrínio...
Eu,que amo o amor,entrego -te minha alegria
de te amar além do possível,
além das aparências...
E de alguma forma,fui contaminada
pelo vírus oportunista
do teu calor de chamas acariciantes.
Contigo aprendi que no amor
não existem coisas feias,
tudo é luminoso a brilhar
qual a sol em teias de aranha,
frágeis na aparência
e fortes na trama que nos apanha.
Agora,sei que não há possível cura
para o desejo de tua ternura.
Que vou morrer de amor,no amor
-quando a morte vier buscar-me,
esquiva e imprevista.
E partirei envolta na mortalha
dourada e olorosa desse amor
que abrasa e que consome.
Partirei,nua por baixo,despida
da falsa virtude,
depois que me ensinaste a entrega plena.
E volitarei a murmurar teu nome,
tu,professor de plenitude,
que me ensinaste a amar sem peias
a cantar segura e serena...
Publicado por clevane pessoa de araújo em 27/05/2006 às 12h32

Teus Odores




27/05/2006 15h02
Teus odores(MJFortuna)
A imagem belíssima a representar o equilíbrio amoroso,a confiança tota,a harmonia,chegou-me sem os devidos créditos.
se alguém conhecer o fotógrafo ou os personagens dessa dança,por favor,avise-me.






A sensualidade poética- marcante mas etérea -de Maria de Jesus Fortuna,embriaga os sentidos do leitor...
Clevane



Teus odores


Maria J Fortuna







Meu corpo

Rastreia teus odores

Como fera faminta

Percorre montanhas e vales

Vagabundeia nos deslizes

Onde o suor lambusa

Meus desejos manhosos

Eriça todos os pelos

Brinca de escorrega

De forma lúdica lânguida

Pulsa com o coração

Desperta a criança

Desperta a mãe

Desperta a mulher

E eu te respiro

Como se fosse morrer

A qualquer momento...
Publicado por clevane pessoa de araújo em 27/05/2006 às 15h02

25 maio 2006



O Cd "Aqua".organizado pelo poeta cantador Carlos Farias,está uma beleza(carlosfarias@terra.com.br).Meu cordel corría a Internet,qdo ouví falar dessa gravação.O outro Cd-book chama-se batukim Brasileiro.Tomara que musiquem minhas quadras...

Lavadeirinhas
Clevane Pessoa

Para amenizar a lida,
as lavadeiras de Minas
lavam cantando demais
o que lhes vai pela vida...

Rezam louvando a Maria,
cantarolam seus amores,
em coro choram suas dores,
sérias, mostram sua alegria,,,

Nas pedras batem os panos,
às vezes soltam risadas
enquanto dão suas braçadas,
as mesmas de tantos anos...

Às vezes, roupas perseguem,
que lhes fugiram das mãos,
os peixes são seus irmãos
por mais que os peixes o neguem...

Velho Chico, um grande rio,
acostumado às cantigas,
vê nelas grandes amigas,
a ninar seu passadio...

Os passarinhos se intrigam:
de que penas são tais vozes,
cantando lentas, velozes,
que sobre as margens se abrigam?

No Jequitinhonha, do Alto
cantam tanto as de Almenara,
que seu coro, qual jóia rara,
está num CD bem lauto...

Cantavam as ribeirinhas,
em Portugal, no passado,
e ao vir prá cá, com agrado,
trouxeram suas musiquinhas...

Por isso cantam as baianas
quando lavam na Abaeté,
linda lagoa - e com fé,
rezem sagradas, profanas...

Sobre madeira flutuante
- cada mulher tem seu porto
por questão de mais conforto
a cabocla lava expectante:

vigia se o boto aparece,
peixe em moço transformado,
um sedutor encantado
(senão a barriga cresce)...

As roupas brancas clareadas
à luz do sol, clareador,
ficam alvas, sim senhor
e depois serão engomadas...

São lindas as lavadeiras,
em belas coreografias
ensaiadas todos dias,
dançam e cantam faceiras

E esse show, sem ser ensaiado
toca qualquer coração,
pois corpos, braços, sabão,
são um todo sincronizado...


Desaparecem os cansaços
nas canções alegrezinhas
que são seus melhores traços
-Que cantem sempre,avezinhas!

21 maio 2006

Gyorgy Somlyó


Amélia Pais,que edita com Gabriel Impaglione,"Ilha negra",correspondente em Língua portuguesa de Isla Negra(em espanhol) e Isola Nera(em italiano),nos remete essa beleza de versos,do húngaro Gyorgy Somlyó.
Esses versos cumprem o fadário da espiral,por onde se vai-e-vem,oferecendo a imagem de infinito...A alegoria dos insetos volitando em torno da luz,apesar de antiga,aqui se renova,pelo estilo de versejar.Gostei muito.

Vale a pena também,visitar o site "Flores e Barcos da Amélia"(endereço ao abaixo)


Fábula-cosmogonia

Os insectos nocturnos em torno da luz
As estrelas em torno das estrelas
Os meus pensamentos em torno de ti
Eu em torno do nada
O nada em torno de mim

Os meus pensamentos em torno de si mesmos
Tu em torno dos meus pensamentos
O nada em torno de ti
Os insectos nocturnos em torno do nada
As estrelas em torno de mim

Eu em torno dos meus pensamentos
As estrelas em torno de ti
Os insectos nocturnos em torno das estrelas
A luz em torno dos insectos nocturnos
O nada em torno da luz

As estrelas em torno de si mesmas
Os insectos nocturnos em torno de si-mesmos
Tu em torno de ti mesma
Eu em torno de mim mesmo
O entorno em torno do entorno


györgy somlyó

encontrado em http://theresonly1alice.blogspot.com/

____________________________
Enviado por Amélia Pais
http://barcosflores.blogspot.com/

trovas e mais trovas...


Transito livremente da trova ao poema concreto,do soneto ao poetrix,do haicai ao cordel.Meu avô materno, Luiz Máximo,jornalista que era trovador e repentista,ensinou-me a amar as trovas.Aos sete anos,aprendi a metrificar,sentada no seu colo.Ele gostava de conferir a métrica,batendo com os dedos na mesa.Já idoso,quando foi ficar conosco em Bicas do Meio(hoje Wenceslau Brás),pedime que verificasse a contagem silábica de seus sonetos e trovas.Lembro de um cordel,que começava assim-e tento achá-lo com outras pessoas da família:
"Caro povo brasileiro
me preste toda a atenção
para a história de um vaqueiro
que se passou no sertão.
Era um moço verdadeiro,
pobre,mas de gente honrada(...)"

Gosto de métrica,embora seja através de versos livres que a Poesia aconteça em forma de derrames,na minha vida.Meu avô paterno era maestro e quando eu passava por natal(RN),pequenina, ele me pegava pela mão e me levava ao bar,solfejando,primo de João pessoa,muitas vezes, tocou no palácio.Gostava da brasileira cana e as tias ficavam indignadas porque a nora,mamãe,o deixava me levar ao boteco.Ela achava graça,pois sabia o quanto ele era carinhoso comigo.Depois, qdo iam buscar-me,eu estava sentada no balcão,saboreando doces,enquanto ele solfejava as peças que tocaria.Deve ter nascido daí meu gosto por doces,acrescido ao fato de mamãe ser boa doceira,além de parteira.

Hoje,quero colocar minhas trovas sobre os chamados "loucos".

"Muito louco, no hospício,
faz assim tanto escarcéu,
por ter passe vitalício
nos auditórios do céu"...

Por ouvir vozes "de fora",
quantos loucos, conectados,
com o Alto, sem demora,
são deste mundo afastados...

>>>***<<<

Com lucidez peculiar,
quantos "doidos são mais certos,
que os que pensam acertar
e se julgam muito espertos...

><*><*><*><*><

Parecem falar sozinhos,
os dementes, todavia,
traduzem, dos passarinhos
os recados e a magia...

***<>***<>***

Deve-se amar aos doidinhos
-são filhos de deus também
agem quais os passarinhos,
não fazem mal a ninguém...

(Do poster e do e-book Paná-paná,Chuva de Borboletas).

Meu pai,Lourival Pessoa da Silva,sempre nos levou,pelo exemplo,a não ter medodos insanos,dos loucos mansos.levava para mamãe alimentar alguns,Em Juiz de Fora,no Bairro Mariano Procópio,onde moramos,havia um que ficava,com ele,em nosso jardim da Rua Duarte de Abreu, a cantar:

"Almofadinha
come tripa de galinha
e vai dizer prá namorada
que comeu macorronada"...

Com papai,aprendemos a rir com eles,nunca deles.

Dois estranhos sob o plenilúneo

Respiravam profundamente.Os tecidos,mui lentamente,se preenchiam de invisível aroma.Tudo crescia,inchava.Os humores do corpo,escapavam dos poros...
De lá do Alto,o plenilúneo descia e redourava as peles ao ar livre.
Riquíssimos de desejo,saciados de gozo...Intermitentes canções que se evolavam a a partir de murmúrios e,num crescente,se tornavam uníssonas.
De um lado, o som grave, em arrancos fortes,de gozo do macho.De outro,a dulcíssima canção do verdadeiro orgasmo feminino...
Dois corpos que sabiam usar o corpo do outro.O próprio corpo.Nenhum perdia tempo em esperar que o outro,lutasse para satisfazer quem pedia.
Maduros-frutas prontas depois da solene fecundação...
Agora,o vazio pleno.
O relaxamento porejado de suor perfumado,a lassidão deliciosa.Os sumos a escorregar pelas pernas distendiadas...
Cada um,depois de mil afagos de reconhecimento e gratidão pela doação de um saber milenar,instintivo,mas altruísta e egocentrado,simultâneamente,recolheu a poeirinha de estrelas que ficou no ar,e a jogou dentro da própria alma.E ainda salpicou um pouco sobre a pessoa a seu lado-ambos se olhando com olhos de re/conhecimento.
Somente então,cada qual virou-se para o outro lado e adormeceu um para dormir um sono especialíssimo.Amanhã.Perguntariam ao doador,da energia intensa,qual era o seu nome...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes,Belo Horizonte,maio/2006,série prismas de minicontos.

20 maio 2006

Coragem e Ousadia




"É preciso coragem para dizer não e ousadia para dizer sim.
No limiar das (in)verdades, transita o abandono dos próprios desejos."

Paola Caumo

Alada

En mis momentos de Paz interior
en mis sentidos
Yo soy el Fénix,
eternamente glorioso
y triunfante pájaro...
Mi inspiración,
en tonos primitivos
evoca los ángeles de la Alegria,
manteniendome radiante
a pesar de la noche enmarañada
en enredados enre(de)dos...

Para inspirarte, también deseo
vuelos impecables.
Quiça bailarei
la danza de la luz del fuego,
en el arco del cielo...
Somos indestructibles
a pesar de alas tan finas,
sutiles y tranparentes
pero energizadas...

(Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, em 23/12/2004)

Mãe (Conversinha dentro do Coração)

Que bom você ter sido
Mestra-irmã,além de "mãe",
companheira dos brinquedos de casinha,
das brincadeiras de roda,
passar anel,pular amarelinha,
jogar "Três Marias",
nunca exigir nenhum serviço de casa,mas ensinando todos, com refinado
senso de gênero...
Os segredinhos de beleza,
as injeções com mão leve e firme,
o ser eterna amiga,
a companheira de tudo mais...
obrigada por acompanhar-me quando eu fazia
entrevistas,por repassar-me sua coragem de ser,
por ter diluído minha timidez
de nascença.
na sua intrepidez...
Mãe,obrigada por tudo,
por esconder meus segredos,
por alisar os meus dedos,
por enfeitar-te para a Vida...

Mas o que mais agradeço
é ter-me ensinado a ser Mãe,
assim,a seu jeito,dessa maneira...
E mesmo hoje em outra dimensão,
-desculpe a rima simples-
você mora no espaço de meu coração,
todos os dias,em todos os momentos,em qualquer lugar...
E continua segurando a minha mão...

(Belo Horizonte,em 30 de Abril
para o Dia das Mães de Maio/2006)